A MUTE tem o prazer de a/o convidar para a inauguração da exposição Para Além do Zero e do Um  dia 17 de Maio (quinta-feira) às 18:30 (terminando pelas 22:00). Pelas 19:00 desse mesmo dia Tânia da Fonte irá fazer uma performance. A mostra estará patente de 4ª a Sábado das 15:30h às 19:30h até dia 15 de Junho de 2018.

 

Para Além do Zero e do Um, para além dos dois dígitos que regulam a encriptação binária da informação, o que há? O dois e a diferença que ele representa, uma multiplicidade (de modos de dar a ver, de dar a sentir, de dar a pensar) que resiste à codificação e, portanto, à domesticação. É essa diferença que, entre o desenho, a fotografia, a instalação, a performance e a projecção, é procurada por cinco autores que – na ausência de um programa de trabalho comum – a encontram na figuração conjunta daquilo a que podemos chamar «o mundo do depois»: do depois do humano, do depois do trabalho, do depois de uma linguagem que se quer imune a ambiguidades e a diferentes possibilidades de leitura. Chamam-se Catarina Patrício, Filipe Pinto, Paulo Lisboa, Ricardo Geraldes e Tânia da Fonte. A Galeria Mute acolhe-os (e acolhe-nos) a partir do próximo dia 17 de Maio.

Vasco Baptista Marques
Biografias:
 –
Catarina Patrício vive em Lisboa. Trabalha em desenho o espaço de tensão que se abre pelo corte e montagem de imagens. https://catarinapatricio.weebly.com/
 –

Filipe Pinto trabalha sobre linguagem e quotidiano; vive em Lisboa. http://www.filipepinto.weebly.com

Paulo Lisboa nasceu, vive e trabalha em Lisboa. Embora recorra a vários media, o seu trabalho apresenta-se frequentemente na forma de desenho ou projecções, onde aborda problemáticas relacionadas com a natureza da luz e a percepção da matéria. http://cargocollective.com/paulolisboa

Ricardo M. Geraldes recorre à fotografia para enquadrar um mundo pré-humano (que ainda existe) e um mundo pós-humano (a fazer-se). Nasceu em Lisboa, e por aí reside. https://ricardomgeraldes.weebly.com/

Tânia da Fonte vive em Lisboa. Trabalha sobre o terreno e a norma. Cada projecto resulta da sucessão de episódios e da adição de diferentes formas (performance, desenho, texto, vídeo, escultura).