A MUTE tem o prazer de anunciar o segundo curso de filosofía que irá ter início no dia 10 de Janeiro de 2018.

Decorrerá às quartas-feiras das 19:30 às 21:00 e terá 8 sessões.

Plano de Estudos:

  1. Epicuro – “Não fui; fui; não sou; não me importo”
  2. Hobbes – “O poder aos fortes”
  3. Espinosa – “Nem rir nem chorar; compreender”
  4. Sade – “Os prazeres da crueldade: faz aos outros o que não queres que te façam”
  5. Schopenhauer – “O pior dos mundos possíveis”
  6. Nietzsche – “A morte de Deus”
  7. Albert Camus – “O ser-humano é uma paixão inútil”
  8. Foucault – “A morte do homem”

.
Mais informações por email.

Professor responsável: Pedro Miguel Arrifano (regime de voluntariado)

Horário: 4ª feira das 19:30 às 21:00

Início: 10 de Janeiro a 7 Março de 2018

Nº de Sessões: 8 – aulas semanais

Preçário:

30€ (inscrição) + 150€
(se esta quantia for paga a pronto é oferecido o valor da inscrição)

30€ (inscrição) + 120€ para ex-alunos
(com as mesmas condições de pagamento)

 


 

Apresentação do curso:

A historiografia é do âmbito da arte da guerra, daí que não seja surpreendente que em torno dela abunde um ambiente de segredos-defesa, onde assuntos como o combate, as relações de força, a elaboração de estratégias, as táticas para a executar, o gerir de informação, o silêncio, o enfatizar do óbvio, servem para determinar/julgar aqueles que devem ser louvados e os que devem ser desprezados. A história mostra que é complacente para uns e impiedosa para outros.

Tudo isto pode ser ampliado para a historiografia da filosofia onde sucede o mesmo. E não deixa de ser espantoso que a filosofia, sempre tão pronta a ensinar historiadores ou geógrafos sobre a maneira de praticar a sua arte, caia também na armadilha de evitar aplicar na sua própria paróquia o que critica nas capelas que lhe são vizinhas. Que interesse tem em dissimular os segredos de fabricação de um corpus unificado onde de um lado estão os benditos e do outro os malditos? Na realidade, quem escreve a história da filosofia, ou, quem diz a verdade filosófica? Onde se esconde o seu demiurgo?

As oito aulas que proponho neste curso, visam analisar alguns filósofos malditos: Pensadores que não apreciam as grandes avenidas ou “consensos”. Preferem os atalhos, as margens e os temas provocadores. Estes são pensadores que adoptam como princípio de análise uma suspeita que existe sempre por detrás das crenças tradicionais, por detrás dos “bons e velhos valores“ pretensamente nobres, puros e transcendentes, interesses escondidos, escolhas inconscientes, verdades mais profundas e muitas vezes inconfessáveis.

• Epicuro “Não fui; fui; não sou; não me importo”

Nesta aula, viajaremos com Epicuro através da sua “Carta a Meneceu”. Na obra, o filósofo medita sobre as causas de infelicidade humana e mostra quais são os remédios com o propósito de atingir a ataraxia. Trata-se de uma medicina da alma, que nos ensina a conduta a adoptar a respeito dos nossos medos e desejos.

• Hobbes “O poder aos fortes”

Na obra “Leviatã”, Hobbes procede ao diagnóstico das causas gerais para a discórdia / conflito e identifica uma cura para estes males. Os argumentos centrais apresentados na obra dizem respeito à questão de saber por que é que se revela sensato para os indivíduos consentirem em ser governados por um soberano poderoso. Por detrás da obra está a questão de como agir de modo a que a política se torne verdadeiramente uma ciência política capaz de assegurar um domínio, uma supremacia.

• Espinosa “Nem rir nem chorar; compreender”

A ideia da “Ética Demonstrada de um Modo Geométrico” passa por compreender como elevar a nossa natureza a uma maior perfeição. O tema de Espinosa é o Universo e o nosso lugar nele – a natureza da realidade. Para o controverso filósofo, a metafísica e a ética eram inseparáveis.

• Sade “Os prazeres da crueldade: faz aos outros o que não queres que te façam”

O senso-comum associa o nome do Marquês de Sade ao demoníaco, ao satânico, ao infernal. Para completar o quadro, se alguns conhecem o nome do escritor, todos conhecem o substantivo sadismo que dele procede mas poucos realmente leram esse tratado filosófico: “Os 120 dias de Sodoma”. Homem de letras e filósofo, delinquente sexual e relacional, marquês oportunista, encarnação do feudalismo mais intratável, revolucionário durante a revolução, sem escrúpulos, goza de uma rara fascinação até aos dias de hoje.

• Schopenhauer “O pior dos mundos possíveis”

A filosofia de Schopenhauer propõe uma visão de mundo pessimista que irradia de uma escuridão magnífica que encontramos na obra volumosa “O Mundo como vontade e representação”. No entanto, o que é mais raramente dito, é que ela é composta também de uma luminosidade que trespassa essa escuridão e impede que a negatividade tome conta de tudo.

• Nietzsche “A morte de Deus”

No seu livro “A Gaia ciência”, Nietzsche pôs a frase “Deus morreu” na boca de uma personagem que segura uma lanterna e que procura Deus em toda a parte, mas não o encontra. Os aldeões julgam-no louco…

• Albert Camus “O ser-humano é uma paixão inútil”

Um tema fundamental do existencialismo é o caracter absurdo da nossa existência. Camus usou “o mito de Sísifo” para explicar o absurdo humano. A vida humana tal como a tarefa de Sísifo é totalmente inútil. Não tem qualquer finalidade: não há explicação para nada. É absurda…

• Foucault “A morte do homem”

A introdução do homem no campo do saber põe em causa, pelo estatuto sujeito-objecto, a própria cientificidade das ciências humanas. A auto-reflexão, fundamento de toda a certeza, torna-se paradoxalmente o lugar da própria incerteza. A introdução do homem como objecto do homem é sinal do seu desaparecimento inevitável.

Pedro Arrifano


Biografia resumida

Pedro Miguel Arrifano

Licenciado em Filosofia na Faculdade de letras da Universidade de Lisboa. Título da tese final: “ As máquinas de ressentimento”. Mestre em Filosofia na Universidade Nova de Lisboa. Título da dissertação de mestrado: “A aula-acontecimento: o ensino da filosofia como um exercício do poder de começo. Frequenta o quinto ano do Doutoramento de História da Arte na área de História Contemporânea com a tese de doutoramento subordinada ao título: “ A aventura do absurdo na arte do século XX”. Diploma de Estudos Avançados em Ciências da Educação na área específica de Formação de adultos e supervisão e formação de professores na Universidade Nova de Lisboa. Leccionou em várias escolas secundárias as disciplinas de Filosofia, Psicologia e Sociologia.

Co-curador do Festival FACTT 2017 em Lisboa e Nova York. Participação num ciclo de conferências – A Filosofia e as suas Razões – Debates sobre o mundo contemporâneo realizado pelo Departamento de Filosofia da Faculdade de letras de Lisboa. Participação no III seminário de Projecto de Investigação “A Questão de Deus História e Crítica” realizado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Participação no seminário “Filosofia, Medicina e Sociedade” – A neuroética – com apresentação do Professor Doutor João Lobo Antunes realizado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Participação no Colóquio Internacional Arte & discursos, organizado pela Faculdade de Ciências Sociais Humanas.